domingo, 26 de abril de 2009

encontros casuais





- então... você costuma vir aqui?

- você sabe que sim. e eu sei que você andou atrás das minhas amigas.

- desculpe, é verdade. mas eu não minto, tive uma relação intensa com todas elas.

- e o que isso poderia significar?

- eu estive realmente envolvido com elas até o fim...

- e o que aconteceu no fim?

- nossa relação não tinha mais conteúdo, elas se tornaram tão secas e vazias...

- oh, eu sinto muito. venha, vamos conversar mais um pouco. de alguma forma eu sinto que você precisa de alguém como eu para lhe acompanhar nessa noite.

- que nossa noite seja eterna enquanto dure.

______________________________________


A última gota que posso sorver
nos lábios vítreos de minha amante
me entristece com o fim do romance
eu e minha garrafa de vidro

nosso amor resiste à distância
e ao desgaste do tempo
logo que a vejo cessa o meu tormento
e ela me controla

quero sempre e eternamente mais
na busca pela tranqüilidade sombria
que não encontro senão quando
embebido, enebriado, atordoado

bebo até o fim do copo
até o fim da consciência
quero viver até esquecer
esquecer de tanto beber
o sabor amargo da vida
disfarçado no álcool da bebida

3 comentários:

  1. A última estrofe é uma das melhores que já li.

    ResponderExcluir
  2. A última estrofe é uma das melhores que já li. [2]

    ResponderExcluir
  3. quero sempre e eternamente mais [2]

    adorei o texto, milgs-abacatão
    =*

    Liv.

    ResponderExcluir